Página Inicial
Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo
Prefeitura de São Paulo

Prefeitura de SP prevê investimento de R$ 500 milhões para criar Polo Cidade Tiradentes em área da Cohab-SP

Prefeito assinou, neste sábado (3/03), autorização da licitação para contratar estudo de viabilidade econômica para uso de área de mais de 600 mil m² pertencente à Companhia no distrito da zona leste

 


Horário: 12:11 - Data: 5/03/18

 

Presidente da Cohab, Edson Aparecido, com o prefeito João Doria, o prefeito Regional de Cidade Tiradentes, Oziel de Souza e a secretártia do Trabalho e Empreendedorismo de São Paulo, Aline Cardoso depois da assinatura do documento para a contratação do estudo para empreendimento que deverá gerar 4 mil empregos na região

 

Com o objetivo de fomentar a economia e gerar empregos em Cidade Tiradentes, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab-SP), abrirá licitação para contratar um Projeto de Intervenção Urbanística e Modelagem de Negócio para o distrito localizado no extremo leste de São Paulo.

 

A previsão de investimentos no Polo Cidade Tiradentes é da ordem de R$ 500 milhões, além de uma estimativa da geração de 4 mil empregos na região. A autorização para o edital de licitação foi assinada neste sábado (3/03) pelo prefeito João Doria. O edital da concorrência será publicado nesta terça-feira (6/03).

 

O objetivo da contratação do projeto é demonstrar a viabilidade econômica da implantação do Polo, que prevê a instalação de shopping center, lojas de grandes redes comerciais, lanchonetes e parques de lazer em uma área de 685 mil m², pertencente à Cohab-SP, no bairro da zona leste.  O terreno está avaliado em cerca de R$ 90 milhões.

 

 

“Estamos buscando alternativas condizentes com a política de desenvolvimento urbano, de forma sustentável, e em todas as regiões da cidade. Isso permitirá corrigir distorções da política de produção de moradia popular, que originou os primeiros conjuntos habitacionais, distantes do centro, sem acesso a empregos e infraestrutura”, explica o presidente da Cohab-SP, Edson Aparecido.

 

O projeto também definirá se o terreno deverá ser vendido a um consórcio de empresas interessado em investir na região ou a possibilidade de o imóvel ser cedido, e a Cohab-SP ser sócia no empreendimento.

 

Estudos realizados pela Companhia apontaram para um grande déficit na oferta de comércio, serviços e lazer locais.

 

EMPREGOS

Presidente da Cohab, Edson Aparecido, assina o termo da parceria pela qual serão gerados 200 empregos em Cidade Tiradentes

 

Ainda no sábado, a Prefeitura Regional de Cidade Tiradentes e a Cohab-SP anunciaram uma parceria com a empresa de Contact Center TMKT, de Poá (SP), para a oferta de 200 empregos a serem preenchidos por moradores do bairro. Desse total, 30 vagas serão destinadas a pessoas com deficiência.

 

Pelo termo de cooperação, a Companhia cederá o espaço no Posto de Atendimento Cohab, na sede da Prefeitura Regional, onde um profissional da empresa de telemarketing receberá os candidatos e fará a seleção.

 

As vagas oferecidas pela empresa são de agente de atendimento e de consultor de negócios e há possibilidade de os interessados trabalharem em casa.

 

AGITA COHAB

No sábado, a Cohab-SP também convocou mutuários para a entrega de 752 termos de quitação da casa própria para mutuários de Cidade Tiradentes, Conjunto José Bonifácio e Jardim São Paulo, todos da zona leste de São Paulo. Com esse documento, os mutuários poderão providenciar a escritura do imóvel.

 

Também foram convocados mais de 300 mutuários para realizar a renegociação de seus contratos. Os atendimentos fazem parte das atividades do Agita Cohab, dentro do Programa Cidade Minha, da Prefeitura de São Paulo. 

 

 

PERFIL

 

Cidade Tiradentes é o maior complexo de moradia popular da América Latina, onde vivem cerca de 220 mil habitantes. O desemprego local é de 11,6% - acima do índice da cidade de São Paulo, que é de 10%. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 56% da população economicamente ativa tem faixa de renda entre 1 e 5 salários mínimos.

 

Nesse distrito da zona leste, a Cohab-SP construiu, entre 1975 e 1997, 13 grandes conjuntos habitacionais, que somam 40.180 unidades.

 

O bairro foi planejado como um grande conjunto periférico, do tipo “bairro dormitório”.  Além dos conjuntos habitacionais, existe também uma “cidade informal”, formada por favelas e pelos loteamentos habitacionais clandestinos e irregulares, instalados em áreas privadas.

 

A alta concentração populacional - 14.100 habitantes/Km2 – é acrescida de uma das maiores taxas de crescimento da cidade e de graves problemas sociais. Essa população contabiliza um total de 52.875 famílias residentes no território abrangido pela respectiva Prefeitura Regional. Desse total, 8.064 famílias estão em situação de alta ou muito alta vulnerabilidade.